sábado, 18 de agosto de 2012

Três Vezes 20 Anos, por Carlos Antunes


Título original: Late Bloomers
Realização: Julie Gravas
Argumento: Julie Gravas e Olivier Dazat
Elenco: William Hurt, Isabella Rossellini e Doreen Mantle
Editora: Zon Audiovisuais

A velhice não se atrasa para ninguém, apenas a consciência de que ela chegou varia de pessoa para pessoa.
Quando Mary (Isabella Rossellini) se apercebe de que o momento chegou ela atira-se ao facto com a lucidez mórbida que a tecnologia emprestou ao mundo, comprando barras para se segurar na banheira e telefones de teclas grandes para não ter de recorrer aos óculos.
Quando confronta o marido com a idade que chegou, Adam (William Hurt) reage com a crise de meia-idade que tardou, logo após receber um prémio de arquitectura que parece dizer que a parte importante da sua carreira está terminada. Recusa continuar o projecto de revolucionar os lares de repouso e junta-se aos jovens da empresa no desenho de um museu. Daí até começar a vestir-se como eles é um passo.
O que parece poder vir a ser uma comédia romântica de desencontros de mentalidade numa idade que os outros não pensam já ser o de fortes emoções amorosas sofre um desvio, apesar do envolvimento do casal com elementos mais novos, ele casualmente chegando ao ponto de ser a figura tutelar que faz mais do que inspirar a rapariga que para ele trabalhar e ela encontrando o interesse no olhar de um homem que não acha que a beleza desaparece apenas porque a idade passa.
Na verdade o drama desinibido que se instala e que é pacificado por um ou outro sorriso – devido à idade dos protagonistas e à confusão que esta poderá criar no público que só pretende ver corpos jovens e belo – fala da passagem à terceira idade e do que ela guarda a dois níveis: o de actividade e o de sexualidade.
Por motivos mais ou menos correctos, que começam como uma birra contra o desprezo que a idade merece dos mais novos e acabam como provas da sua disponibilidade, ambos os elementos do casal acabarão por se entregar a actividades com um certo grau de risco relativamente às vidas que levaram.
Provam que mais do que “ainda” terem algo a dar, têm algo mais a dar. Não como um último fôlego, mas um novo fôlego que os mais jovens nunca aprendem a ter.
Sexualmente as suas vidas demonstram um realismo ainda maior, aproveitando o filme para deixar a dúvida sobre o verdadeiro sucesso que ambos possam ter tido com os seus parceiros mais novos.
A história abre e fecha, literalmente, com Hurt e Rossellini em apaixonadas cenas de cama. Sexo bem sucedido e feliz que, se no início é a causa das primeiras aflições – uma perda de memória afecta Mary na manhã seguinte – é, também, a grande solução final.
No sexo a idade torna-se um constrangimento que suscita o engenho. E a sabedoria neste campo parece ser um elemento benéfico contra o frenesim físico. 
Tudo isto abordado com a elevação que dois actores estupendos dão a um filme que não chega a ser tão bom quanto eles são mas que se dispõem a deixar-se conduzir pelo que eles naturalmente trazem ao argumento.
William Hurt cultiva uma sobriedade que quase o faz desvanecer perante os nossos olhares mas que é uma das grandes interpretações do ano. Como seu par e seu oposto, Isabella Rossellini irradia a beleza credível da idade que passa mas não pesa e resplandece pela qualidade da sua interpretação.
Eles levam o filme para momentos de concretização – veja-se a cena do diálogo de gestos e expressões que têm na festa de lançamento do filho – que são assombrosos.
São eles, também, que dão o tom nuclear ao filme que além dos toques suaves de comédia se diverte também com o politicamente incorrecto, em cenas que nem sempre parecem dever fazer parte da montagem final, seja a avô de Mary a dizer “que se lixem” os seus bisnetos (um futuro “suit” e uma futura “slut” segundo ela) pois tem direito ao seu descanso depois dos filhos e dos netos de que tomou conta ou o amigo de Adam que se atira a todas as mulheres mas que confessa nem poder tomar Viagra por causa do seu pacemaker.
O título português parece, apesar da sua diferença para o original, ter acerto devidamente no que nos diz o filme. Estes personagens, como estes actores, que constituem o par principal têm três vezes mais vida para mostrar do que os casais novos que vivem os seus dramas no grande ecrã.



Extras

Sem extras


blog comments powered by Disqus

Comentários recentes no blogue

Powered by Disqus

Receive all updates via Facebook. Just Click the Like Button Below

?

You Can also Receive Free Email Updates:

Powered By NBT